quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

alguns problemas derivados do uso do carro (coisa que curiosamente ando a deixar de fazer)

(clica na imagem para ampliar)

retirado daqui

7 comentários:

PGomes disse...

Ora aí esta uma coisa inteligente.

Eu tenho a sorte de morar perto do meu local de trabalho (coisa cada vez mais rara) e já à algum tempo que vou a pé (20 minutos).

Conheço quem faça 20 kms de bicicleta para ir para o trabalho; mas é preciso boa vontade, as condições são óptimas: poucas ciclovias, poucas empresas têm balneários...

Anónimo disse...

Eu tenho que ir de carro. Bicicleta inconcebível: atravessar o Porto com todo aquele trânsito
Metro demoro 45 minutos, de carro 18 minutos.
A pé impossível, são 10 km
Autocarro não h linha directa e os horários são espassados entre eles.
Conclusão: E que até me preocupo com o ambiente lerpei, como também a maior parte de vocês..

Irmão de Cabelo

carneiro disse...

Pois....aquilo é verdade. Mas o carrito faz falta nalgumas coisas.

Nem tudo é tão mau nem tudo é tão bom.,,

Espreitei o blog da origem que salienta e bem a sinistralidade rodoviária.

Mas também temos ciclistas a morrer, infelizmente, nas estradas.

Eu uso o Metro em Lisboa - na esperança de poluir o menos possível.

Mas se quero levar as bicicletas dos meus filhos para Monsanto já tenho que levar o jipe... Eu subo aquilo a pedal, mas o mais novo não é capaz.

acho que a atitude mais correcta é termos sempre a consciencia de que estamos a poluir e tentarmos que a nossa pegada ecológica seja mínima. Mas eu nunca fui bailarino, por isso, não consigo andar em pontas.

São sempre as soluções radicais que desmobilizam os medianamente convertidos...

Abraço e vê lá se podes vir cá a uma 4ª Feira que é dia de cozido. Integra isso no teu plano de treinos, nem que seja na parte da funcionalidade do metano...

RuiRuim disse...

Eu demoro 30 minutos a pé num trajecto que de bom grado faria todos os dias não fosse ser tão feio, tão sujo, tão triste... Já para não falar nos carros em cima dos passeios e da falta de passadeiras.
De bicicleta faz-se melhor, sem duvida. Excepto na volta em que apanho com uma subida durissima. Tenho andado a faze-la o mais lento possível e assim, apesar de me custar mais, não chego a casa todo suado. Penso que com jeitinho e treino vou conseguir habituar-me à rotina.
Viver sem o carro é outra história. Por enquanto é difícil abdicar do carro, mas já vou para fora de Setúbal mais vezes de comboio (embora se formos 2 compense ir de carro... acho os comboios demasiado caros, não?). Mas continuo a precisar do carro para as compras do ginasio, para transportar coisas para casa, para as minhas idas ao Jamor, ect.

P.Gomes:
Tenho a sorte de poder usar o balneário quando quiser e de não ter de usar fato. Em Setúbal não há ciclovias mas tb não sinto necessidade disso, pelo menos no trajecto que faço. Só a subida é que me lixa.

Irmão de Cabelo:
poder podes... é mais difícil ainda para ti. mas podes. quanto tempo demoras de carro? 30 minutos? mais? pensa nos livros que podes ler nos 45 minutos de metro... e no stress que evitas.

Carneiro:
Cozido é a melhor comida do mundo e um dia irei. à quarta é que é dificil. Não há cozido ao Sábado?

Yugo disse...

Muita vezes o dificil é experimentar a 1ª vez e ganhar o hábito.
já pensei alguma vezes nisso porque até vivo perto do emprego, posso utilizar os balneários e tenho vontade de o fazer..... mas mesmo assim ainda não fiz

PS - claro que ainda falta a coisa mais importante que é comprar uma bicicleta mas a vontade está lá :)

RuiRuim disse...

dou-te já um empurrãozinho, empresto-te a minha BH de estrada para experimentares. até ta levo já amanhã a Lisboa se quiseres.

carneiro disse...

Ao sábado, aqui está fechado.

Mas em Almeirim há uma sopa de peixe...quando lá vou o meu almoço é 2 ou 3 malgas, mais nada.

Só se não te importares de ir nas duas rodas a motor...polui, mas um pouco menos...