terça-feira, 19 de maio de 2009

Ronda 2009 a história completa dos 58km

Esta é a história da minha viajem a Ronda, onde fazia intenções de acabar uma prova de 101km e, embora não tendo conseguido trazer a medalha trouxe outras coisas.

Arranquei na quinta-feira na companhia do Bruno e da Joana em direcção a Espanha, vim sempre cá atrás refastelado a ler e a ver a paisagem. Parámos em Montemor para comer umas bifanas e sopas e seguimos até uma vila qualquer já perto de Sevilha onde ficámos a dormir.
Na sexta arrancámos de manhã e chegámos a Ronda por volta das 13.00. Logo cheio de stress quis ir levantar os dorsais e antes das 14.00 já tinha tudo tratado e às 15.00h já tínhamos almoçado uma massa. A seguir foi dormir a sesta e preparar tudo para Sábado. Tendo em conta o tempo (sol sol e mais sol) decidi que iria deixar uma mochila apenas ao km 75. Demasiada ambição vejo agora. Para quem começou há pouco mais de um ano correu a sua primeira maratona vejo agora que não respeitei o suficiente a distância. "Nunca se sabe o que pode acontecer numa prova destas" ouvi eu muitas vezes. Agora já sei o que significa. Adiante. Nesse dia de manhã acordei com uma comichão na garganta e uns espirros e ao fim do dia o sol incomodava-me. Tomei uns Ilvicos à tarde e antes de me deitar. Comi massa ao jantar e notei que não tinha muito apetite.

Com tudo preparado e sem duvidas mesmo assim não dormi muito bem mas não me preocupei pois tinha descansado bem até então. Acordei, comi a minha papa de aveia e fiquei enjoado... Pensei que fosse dos nervos e não liguei. Fui para o estádio às 9 e deitei-me dentro de uma baliza à sombra à espera da hora da partida... Vejo agora que não devia ter ido tão cedo principalmente estando eu sozinho. Não sou gajo de ficar excessivamente nervoso com situações que me causem desconforto mas vejo agora à distancia que treinar durante 8 meses para uma prova que é uma incógnita pode deixar nervoso qualquer um... Meia hora antes das 11h comi uma barra e novamente fiquei enjoado, além disso doía-me a garganta (aquele arranhar incómodo) e não parava de fungar. Definitivamente não me sentia bem. Arranquei e não senti nada de especial, nem uma grande alegria nem nada, simplesmente limitei-me a correr abaixo dos 135 bpm e já está. O pior foi quando comecei a beber. O isostar inchava-me de uma maneira que me provocava desconforto no estômago. Tudo o que meti de água e isostar nesse dia foi muito forçado e só piorou depois de engolir o primeiro Gel. Aí fiquei agoniado. E comecei a desconfiar. Quando comi a 2a barra e fiquei enjoado outra vez tive a certeza que algo não estava bem.
Depois de passar a primeira povoação tivemos a primeira subida e se o sol já me incomodava e a má disposição atacava forte, depois dessa subida não mais me abandonou uma sensação de derrota. No fim da subida (e depois de ter parado 2 vezes à sombra) estava totalmente de rastos e sem forças. Já tinha desistido de comer e só bebia água. A partir daí corria às vezes e andava a maior parte do tempo. Ainda tive de parar mais umas vezes à sombra para me deitar e ver se passava o enjoo.
Cheguei aos 40km e mandei uma mensagem ao Sérgio, médico, meu amigo, que me disse para comer qualquer coisa sem ser barras e beber cola. Daí até aos 58k foi uma tortura, sempre com vontade de me deitar, farto daquela merda e a maldizer-me e à minha sorte. Dores nas pernas zero. Pés impecáveis. Dores nas costas nada de especial. Demoro 10 horas a chegar ao km 58!!! Tinha treinado para terminar a prova em menos de 14 horas. Sei agora que era um objectivo ambicioso mas também sei que se tudo corresse bem o teria conseguido. O percurso era pouco desnivelado e na sua maior parte estradões bem fáceis. Por isso me revoltei tanto, talvez tivesse conseguido acabar arrastando-me por ali fora. ainda tinha 15 horas para o fazer... Mas o meu objectivo não era acabar a distancia a rastejar em 24 horas. Treinei corrida e não caminhada e além disso pensei que não se justificaria rebentar-me todo quando ainda posso fazer mais coisas este ano. Por isso desisti.

Existem sempre mil motivos para desistirmos. Tal como na nossa vida diária, numa prova destas podemos desistir facilmente porque temos um rol de desculpas que nunca acabam e com que aliás os outros concordam. O pior é que neste caso criei expectativas em mim e nos outros acerca de algo que eu iria fazer. E não fiz. Isso deixou-me mal psicologicamente. Ninguém gosta de se sentir um falhado e por mais que me digam que fica para a próxima, que não tive culpa, que eles fariam o mesmo, fica sempre uma coisa aqui atravessada e que custa muito as engolir.
Vejo vantagens nisso atenção. Nem tudo são tristezas e a neura já me está a passar. Sinto que fiquei mais forte e aprendi muito, soa a cliché eu sei mas é a mais pura das verdades. Sinto-me mais preparado e serei no futuro ainda mais cuidadoso.

Para já vou descansar uns dias e deixar esta raiva continuar aqui dentro em lume brando. Depois verei o que faço com ela.

7 comentários:

Anónimo disse...

58KM!!! SÓ FIZESTE 58KM?!?!!! :D
Doente e enjoado e só conseguiste fazer 58km.
Para o ano há mais, depois dás coça nos espanhois.
Agora só podes pensar na Geira.
Coragem

Pucaninho

Anónimo disse...

Amigo, força já fiz Ronda 2 vezes, este ano andei até aos 45km com diarreia...mesmo assim terminei somente com mais 50` que em 2008 (10h23`) em 2009 11h13`...continua a descansar e inicia os teus treinos com calma. http://mouserace.blogspot.com

As Minhas Pedaladas disse...

O remédio não será inscreveres-te na já na próxima ultra??? Um abraço

Rui Pena disse...

Força nisso...

Obrigado por partilhares estas sensações connosco, assim também aprendemos um bocadinho... Um dia também quero experimentar Ronda e estes teus relatos são de um ponto de vista privilegiado (único mesmo para quem passou o que tu passaste)... e que poderão trazer muitos ensinamentos a quem quer aprender sobre estas experiências (limite).

Nuno Barradas disse...

Passei pelo ginásio na véspera para te dar um abraço e desejar boa sorte. Quando cheguei já tinhas saído. Estava certo que que tudo ia correr bem. Mas também estava certo que nas ultras qualquer problema tem consequências exponenciais à medida que os Kms passam. Uma indisposição ao fim de 10 Km continua a ser uma indisposição ... ao fim de 50 dá vontade de morrer para descansar!
Dizer que não existem fracassos, apenas aprendizagem é um cliché que sei que não papas. Eu não o papei embora o tenha repetido até à exaustão. Não me consigo lembrar de todas as muitas provas que corri. Sempre que parto para outra lembro-me das duas em que desisti. É inevitável. Não sei se os fracassos me fizeram mais forte. Sei que me fizeram gostar mais de sofrer ... quase como se quisesse lavar a honra em sangue.
Tenho a certeza que o teu currículo de corredor vai ser grande como a tua força de vontade. Também sei que embora não pareça motivo de orgulho vais têr um lugar especial para esta prova. E sei que um dia, daqui a muitos dias, vais dizer que tudo o que alcançaste em muito se deveu aquele 17 de Maio de 2009.
Grande abraço
Feel Olympic!

Anónimo disse...

Queremos mais post da tua recuperação e próximos objectivos.

Irmão de Cabelo

Pichas disse...

Pessoalmente já fiz umas 8 Rondas consecutivas, pelo que posso afirmar com toda a certeza que o relato que fazes é nada mais do que uma série de desculpas esfarrapadas de quem na realidade estava MAL preparado para a prova.
Levanto uma questão (eu que pude acompanhar alguns dos teus chamados "treinos"):
Onde estava o Rui no célebre passeio a Sesimbra?
Até hoje decidi ficar calado, mas a realidade é que EU VI a tua mãe a deixar-te no Moinho junto às Necessidades (Moinho esse onde te refugiaste até aparecerem os teus amigos de Bicicleta - esses sim TRANSPIRADOS e em claro ESFORÇO FÍSICO)!
Não será de estranhar o facto de só termos tido contacto visual contigo durante uns escassos 3KM (a maior parte dos quais parados, a comer ou a saltar arame farpado…?)
Quantas vezes durante o percurso nos interrogámos – Epá…o Rui deve ter saído muita cedo…ainda não o apanhámos… - Epá o Rui deve ter ido por outro caminho…
A verdade é que depois eu também vi que a TUA MÃE te foi buscar perto do Parque de Campismo dos Picheleiros…Será que ninguém mais se perguntou porque razão já estavas de BANHINHO TOMADO quando as bicicletas chegaram a Sesimbra?!?
Sem mais comentários…só tenho a dizer que a mim nunca me enganaste!